01/04/2019

Não serei escrava das tuas dúvidas

imagem: fonte

Não se preocupe que eu não vou mais insistir. Se acha que te perturba todos os meus questionamentos e preocupações, sinta-se aliviado de agora. Não vou procurar saber onde estava e o que fazia. Seu celular não mais apitará com as minhas mensagens. Não terá minhas perguntas sobre como foi sua noite de sono. Eu realmente tinha interesse na sua programação da tarde. Faça uma refeição saudável. Se acha que te perturba todos os meus questionamentos e preocupações, sinta-se aliviado de agora.

Eu não consigo ser só depois. Eu sou tão aqui e agora. Amanhã é a incerteza do que está por vir. O que é que estaria? Não sou adepta a simplesmente sentar e esperar. Não sou como um viajante perdido que espera no meio do deserto sem expectativa, sem prazo. Não vou aguardar a poeira baixar e buscar condições mais adequadas para a situação. Eu ajo ali mesmo no meio do fogo e das cinzas. E se eu te disser que não espero? Pois somos nós aqueles com o poder nas mãos para fazer a circunstância cabível. Você diz que tanto quer, mas não pode. 

A verdade é que você sempre foi um doce falador. E eu enjoei de açúcar.

Querer e agir. Dois âmbitos diferentes que se misturam numa relação difundida de polos completamente distintos. Observe. Difundidos em polos distintos. E o que seria isso? Talvez você diga que não entende, mas a realidade é que você é o maior entendedor de uma tese na qual foi o criador. Falácia que é sua sombra e te persegue de modo inebriante de uma causa introspectiva na qual eu posso muito bem te chacoalhar e te fazer entender que eu não caio mais nas armadilhas das suas palavras. Mas tanto já cai. E foi ali, quase no chão, num horizontal de dor nas costas, me curvei e pude reparar melhor. Você. Eu. Eles. A vida. A situação por cima, mesmo estando por baixo. E foi nesse momento que subi e vi que ali não daria mais para ficar.

Eu não serei escrava das tuas dúvidas. E você diz para eu poupá-lo de cobranças. Não cobrarei. E me vou. E sigo em frente como quem nunca passou tanto tempo estagnada naquele local. E te olho sabendo que você vai ser sempre sinal vermelho, enquanto eu sei o meu tempo certo de mudar as cores. Agora sou verde. E permaneço andando cada vez num ritmo mais acelerado. E quanto mais ando, mais não quero voltar. Nem sinto falta. Nem me lamento pelo tempo que ali anteriormente depositei. E eu também espero que você não se arrependa. É tudo um aprendizado para quem sabe extrair algum tipo de conhecimento. E depois me poupe você quando mudar de ideia. Eu sei que vai.

Annielly Cavalcante. Advogada, escritora, perfeccionista, metade anáfora, metade metáfora e uma romântica nata.

Pesquisando algo?

últimas leituras

Queridinhos do mês

Próximas resenhas

1. Gaia, a roda da vida

2. A borboleta, o sonho e o corvo

3. Entre dois mundos

4. Até quando? - Parte 1

5. A caverna cristalina - Vol. 1

6. As vozes da floresta

7. Perseguição frenética

8. Conspiração na Babilônia

9. Quem dá as cartas?

10. O papel de parede amarelo do meu quarto

11. O núcleo da montanha

12. Em busca das borboletas

13. A vida como ela era

14. Nildrien, o pergaminho

15. Noturno

16. O menino feito de blocos

17. Mentes inquietas

18. Boomerang

19. O segredo da Crisálida

20. Curta-metragem

21. 360 dias de sucesso

22. Ecos da Alma

Amorzinhos

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Copyrights


Todos os direitos reservados - Copyright ©
Conteúdo autoral. Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!




Tecnologia do Blogger.