25/12/2019

Toda trajetória é uma incógnita


Às vezes, acontecem coisas inesperadas nas nossas vidas que são apenas pontes que foram criadas para algo melhor que nos aguarda. O inesperado é travessia. É a forma que a vida encontrou de fazer com que cheguemos a determinado ponto. Nem todas as mudanças abruptas são boas, mas continuam sendo pontes. E nós precisamos passar por elas. Atalhos não nos servem. Mesmo que cheguemos ao mesmo local, ele não será, de fato, o mesmo, caso não passemos pelas pontes que deveríamos ter pisado. Porque nós não seremos os mesmos. O local muda na medida da nossa própria mudança. Os resultados, embora expostos sejam, são bem mais internos. A diferença está no íntimo, sobretudo. A exibição do que ocupamos no fim da ponte é mera consequência. 

Há situações em que pouco importa como você chegou, contanto que simplesmente chegue. Entretanto, há um montante de outras em que o percurso é imprescindível. Não colocamos os pés na linha de chegada sem sabermos o real motivo de ali estarmos, embora tão contraditório seja dizer que arriscamos o andar na saída sem sequer termos ciência de para onde estamos indo. A ponte brinca conosco. O início é um mistério tão grande quanto o que nos espera à frente. Viver é saber que a cada momento uma nova ponte nos aguarda. Toda trajetória é uma incógnita. 

O conhecimento é basilar para se manter ali. Não é um caminho tabelado. Se a sua paira com resquícios de dor e abdicação, não é necessário que a minha também assim seja. E vice-e-versa. A trilha é distinta. E a quem recorremos se julgarmos as benesses injustas? Volte uma casa, esse foi seu primeiro erro. A ponte é uma espécie de processo de desenvolvimento nos propiciando o fervor de não sermos apenas mais um, ainda que lutemos contra inimigos diferentes. Você a constrói para poder andar. A cada um é dado materiais de obras diferentes. Pouco importa. Aqui não é o concreto que dá o alicerce. 

Quando falo de pontes, refiro-me muito mais à importância de passar por ela do que ao fato que nos espera do outro lado. É que o fato muda a depender do que nos tornamos e passamos para chegar lá. E assim vai. Reinicie.

Devaneios de 23/01/2014, às 22:35 (adaptado em 2019).

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anônimo está liberado, seja educado!
Qualquer dúvida e/ou sugestão, pode entrar em contato através do e-mail dearmasen@hotmail.com
Obrigada!

Annielly Cavalcante. Advogada e sócia do escritório Silveira & Cavalcante Advocacia. Escritora, perfeccionista, metade anáfora, metade metáfora e uma romântica nata.

Pesquisando algo?

últimas leituras

Queridinhos do mês

Próximas resenhas

1. Gaia, a roda da vida

2. A borboleta, o sonho e o corvo

3. Entre dois mundos

4. Até quando? - Parte 1

5. A caverna cristalina - Vol. 1

6. As vozes da floresta

7. Perseguição frenética

8. Conspiração na Babilônia

9. Quem dá as cartas?

10. O papel de parede amarelo do meu quarto

11. O núcleo da montanha

12. Em busca das borboletas

13. A vida como ela era

14. Nildrien, o pergaminho

15. Noturno

16. O menino feito de blocos

17. Mentes inquietas

18. Boomerang

19. O segredo da Crisálida

20. Curta-metragem

21. 360 dias de sucesso

22. Ecos da Alma

Amorzinhos

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Copyrights


Todos os direitos reservados - Copyright ©
Conteúdo autoral. Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!




Tecnologia do Blogger.